Subir
Loading...
» Pepitas Bíblicas:
25.5.07

Reflexões sobre a Santa Ceia

REFLEXÕES SOBRE A SANTA CEIA, O ACTO DE COMER E O LAVA-PÉS

Por: Eloy Arraes Vargas


Objectivo do estudo:- Levar os leitores ou ouvintes a meditar na grande quantidade de atitudes ou conceitos que temos por pura tradição, e mostrar que enquanto nos preocupamos com formalidades, cerimoniais e tradições esquecemos o real conteúdo do ensinamento bíblico.

OS DISCÍPULOS A CAMINHO DE EMAÚS

Iniciamos nossa reflexão tentando formar em nossas mentes a cena em que dois discípulos estavam caminhando para a cidade de Emaús. Lucas 24:13.

Era uma boa caminhada, sessenta estádios (aproximadamente 12 Km.)

Os discípulos encontram com um outro viajante, o qual vai caminhando com eles e se comporta como um rabino severo que os repreende por não conhecerem correctamente a palavra de Deus (vs25,26e27); os discípulos não reconhecem quem é que esta com eles, ao chegarem convidam o acompanhante para passar a noite com eles, quando se reúnem para comer o terceiro viajante (vs.30) tomando o Pão o abençoou e partiu-o e lho deu; (vs 31) e abriram-se-lhes os olhos, e o conheceram.

O fato fundamental destacado aqui é que os discípulos reconheceram que era Jesus no momento que ele deu Graças pelo alimento, se esse fato não fosse importante para nós seguramente não estaria relatado na Bíblia.

Mas a grande pergunta que fica é: O que havia de especial na forma usada por Jesus ao abençoar o pão que o diferenciava dos outros Judeus?

Convém lembrar aqui que seguramente na mesa havia mais alimentos para comer além do pão e que os judeus ainda estavam no período de festas da Páscoa e dos Pães azmos, mas não é essa a preocupação desta reflexão.

A PÁSCOA JUDAICA SUA INSTITUIÇÃO E CARACTERÍSTICAS.

Vamos nos reportar agora ao livro do Êxodo 12:1 a 28.

Note-se que a preparação para a páscoa de deveria começar no dia 10 de nissã, no qual as famílias deveriam ESCOLHER O SEU CORDEIRO. (vs 3).

Alimentos:- Carne assada no fogo, pães azmos, ervas amargas. (vs.8).

JESUS NA PÁSCOA JUDAICA - A SANTA CEIA.

Mateus 26:17-30

Note-se na descrição feita por Mateus que Jesus e os discípulos não estavam preparados para a Páscoa, pois no primeiro dia da festa é que eles se preocupam com o fato, logo não tinham o carneiro escolhido nem casa preparada.

O fato de procurarem uma pessoa para comer a Páscoa na casa dessa pessoa não causa nenhuma estranheza, basta recorrermos ao livro do êxodo para ver que isso era possível, uma família pequena se juntava a outra para comer nesse dia.

Outro fato que dai decorre é que não podemos afirmar que na Ceia só estavam Jesus e seus discípulos, muito embora os evangelhos não façam referência a esse fato, isso é o que a razão e a descrição do velho testamento indica.

Leia-se o vs. 20 e 21 e compare-se com o vs. 26

O que temos ai? Temos que a instituição da "Santa Ceia" se faz depois de terminada a Ceia da Páscoa judaica, e se caracteriza pela Benção e por dar Graças pelo Pão e Vinho, e mais a instituição de um "novo testamento" ou novo "acordo"ou novo "concerto" no sangue de Jesus.

Marcos 14:12-26 (destaque para o vs.22)

No evangelho de Marcos também fica claro que a instituição da "Santa Ceia" foi durante a comemoração da Páscoa Judaica, e fica clara a sua ligação com o Ato de Dar Graças e abençoar o pão e o vinho.

Lucas 22:7-23

Destaque-se os versos 17,19 e 20.

O que vemos aqui:

No verso 17 Jesus toma o cálice final da Páscoa Judaica, no verso 19 ele dá graças pelo pão distribui e diz "fazei isto em memória de mim".

Agora é a hora de perguntar: Fazei isto o que?

No verso 20 é dito que da mesma forma que ele agiu com o Pão ele o faz com o cálice depois de comer.

Da leitura dos 3 evangelhos acima fica claro que o "fazei isto" trata-se da bênção e do dar graças e do relembrar a Jesus ao realizar estes actos.

João 13: 1-20

Destaque vs.2 (Quando e como foi o lava-pés).

É importante lembrar que o evangelho de João não é um evangelho que se preocupa com a sequência dos fatos e sua descrição.

João esta mais preocupado com conceitos teológicos e com a caracterização de Jesus como o Filho de Deus.

Note-se que ele não descreve a Santa Ceia nem mesmo a Páscoa, mas está preocupado com a lição de humildade que Jesus deu nessa ocasião.

Da Leitura de João não se pode afirmar que o lava-pés fazia parte da solenidade da Páscoa judaica nem mesmo da "Santa ceia" instituída por Jesus, mas simplesmente que Jesus pretendeu dar uma lição de humildade aos discípulos.

Nada se pode propor contra aqueles que realizam o lava-pés antes ou depois da "Santa Ceia", pois trata-se de um hábito salutar para os crentes, mas também não há como estabelecer o lava-pés como como ritual que possa impedir de tomar a "santa Ceia" os que não participam do lava-pés.


A CEIA ENTRE OS CORÍNTIOS.

I coríntios 11:17-34

A leitura da carta do Apostolo Paulo aos coríntios no capítulo 11 a partir do Vs. 17 e extremamente esclarecedora.

Lamentavelmente a Tradição tem feito com que se leia o texto só em ocasiões de Santa Ceia e somente a partir do Vs, 23.

Da leitura do texto se observa que:

1) A santa ceia era realmente um almoço ou jantar comunitário realizado na Igreja ou outro local. vs. 20.

2) A festa era tão grande que alguns comiam esquecendo-se dos outros e alguns até se embriagavam.

3) Paulo diz que essa forma de realizar a ceia esquecendo-se dos outros não era o que Jesus havia instituído e que chegava a ser vergonha para a Igreja e humilhação aos pobres.vs.22.

Paulo passa então a ensinar os Coríntios o que ele havia aprendido com o Senhor. vs.23.

a) Tomou o Pão deu graças e distribuiu a todos. vs.24 e disse fazei isto em memória de mim.- Isto o que? - a resposta é evidente, dar graças e recordar a Jesus.

b) Agindo da mesma maneira com o cálice disse:"este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto todas as vezes que beberdes, em memória de mim."

A virgula exagerada não é erro, o fato é que esquecemos sempre dessa virgula, e ao lermos sem ela alteramos completamente o conteúdo do texto.

Ora o que temos aqui?

Paulo diz que da mesma forma que foi feito com o pão também foi feito com o Vinho, logo concluímos que TODAS AS VEZES QUE VAMOS COMER E QUE DAMOS GRAÇAS E PEDIMOS AS BENÇÃO PELO ALIMENTO, ESTAMOS FRENTE A UMA "SANTA CEIA" .

O que podemos inferir desses fatos?

Podemos inferir que quando nos sentamos a mesa em nosso lar com nossos filhos, ou em outro local, e damos graças e pedimos as bênçãos de Deus sobre os alimentos estamos frente a uma "santa Ceia" - Todas as vezes, e não somente em ocasiões especiais com um ritual especial.

Seguramente tais inferências nos levam a muitas responsabilidades no ato de comer, quanto a forma, quanto a qualidade dos alimentos quanto a reverencia junto a mesa.

Os ensinamentos de Jesus são muito mais amplos e mais objectivos do que as limitações que a tradição impõe.

Este estudo responde para mim as seguintes perguntas:

Quantas vezes é possível tomar a "Santa Ceia"? - Tantas e quantas vezes for possível.

É recomendável impedir alguém de tomar a "Santa Ceia"? - Seguramente NÃO, tomar a Santa Ceia é responsabilidade de cada um, ninguém tem o direito de impedir.

Para os adventistas que não se conformam com o ensino claro da palavra de Deus e que dependem de uma bengala (da luz menor) para se apoiar, recomendamos a leitura do texto incluído em:

DESEJADO DE TODAS AS NAÇÕES, CAPÍTULO LXXII (72)

"EM MEMÓRIA DE MIM" - PAG. 636 - 11a edição.

Onde é tratado o mesmo assunto com as mesmas conclusões:

"Disse nosso Salvador: 'Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o Seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. ... Porque a Minha carne verdadeiramente é comida, e o Meu sangue verdadeiramente é bebida João 6:53-55. Isso é verdade quanto à nossa natureza física. Mesmo esta vida terrestre devemos à morte de Cristo. O pão que comemos, é o preço de Seu corpo quebrantado. A água que bebemos é comprada com Seu derramado sangue. Nunca alguém, seja santo ou pecador, toma seu alimento diário, que não seja nutrido pelo corpo e o sangue de Cristo. A cruz do Calvário acha-se estampada em cada pão. Reflecte-se em toda fonte de água. Tudo isso ensinou Cristo ao indicar os emblemas de Seu grande sacrifício. A luz irradiada daquele serviço de comunhão no cenáculo torna sagradas as provisões de nossa vida diária. A mesa familiar torna-se como a mesa do Senhor, e cada refeição um sacramento." -- O Desejado de Todas as Nações, pág. 660, versão em cd-rom.



: Lista de Comentários :

: solidariedade :

The Breast Cancer Site